Internacionalização – O caminho estratégico Vivafit!

Pedro Ruiz, CEO Vivafit

Pedro Ruiz, CEO Vivafit

A aposta estratégica da Vivafit na internacionalização teve início em 2008 e orientou-se para o mercado espanhol. A reduzida dimensão do nosso país e a elevada penetração da marca, quase uma centena de operações de Norte a Sul e bem como a proximidade geográfica, cultural, económica de Espanha foram os principais motivos que levaram a Vivafit a entrar no país vizinho.

No entanto, e em simultâneo foi desenvolvido uma profunda avaliação e análise do potencial de internacionalização tendo-se concluído estar perante uma janela de oportunidade que começou a ser explorada a partir do ano de 2010.

O conceito da marca, ginásios exclusivamente destinados a mulheres, assim como a operacionalização do modelo de negócio, franchising onde se efectua transferência de know-how e não de produtos e bens, revelaram-se vantagens competitivas para a entrada em outros mercados. A grave recessão económica que Portugal tem enfrentado na última década e que tem dificultado o crescimento económico de todos e quaisquer agentes económicos bem como a cultura multinacional da empresa, embora de capitais portugueses, foram e são os key drivers para a prossecução deste caminho estratégico.

Nesse sentido, foi definido como prioridade os BRIC e o Médio Oriente dado serem constituídos por países em crescente desenvolvimento económico e onde as mulheres têm um papel cada vez mais activo e elevado poder de compra, mas que por questões culturais ou sociais se vêm na necessidade de manter comportamentos de consumo distintivos.

Actualmente, e volvidos 3 anos a Vivafit encontra-se já presente em 3 continentes, 5 países e 15 operações designadamente Uruguai, Espanha, India (5 operações), Singapura (5 operações) e Abu Dhabi e prevemos assinar nos próximos meses contratos de Master Franchising para a Indonésia, Arabia Saudita e Florida.

Para os resultados já alcançados contribuíram não só uma clara visão estratégica como também um focus persistente e continuado e uma equilibrada alocação de recursos. Também o apoio do AICEP, de muitas embaixadas Portuguesas e do actual Vice-primeiro-ministro – Dr. Paulo Portas, têm sido uma mais-valia não só para a expansão internacional da Vivafit como de outras PME’s portuguesas.

Todavia todos os dias nos deparamos com novos obstáculos e melhorias a introduzir e hoje mesmo procuramos encontrar a melhor forma de globalizar as funções da nossa organização bem como garantir a adequação das nossas práticas profissionais e métodos de trabalho à cultura de cada país.

Por: Pedro Ruiz, CEO da Vivafit