Franchising resiste bem às adversidades

O número de marcas em franchising aumentou 1,4% em 2011, em relação ao ano anterior, fixando-se num total de 578. Estes são dados acabados de anunciar pelo IIF – Instituto de Informação em Franchising, no seu 17.º Censo do Franchising.

Segundo o referido estudo, o volume de negócios gerado pelas empresas de franchising a operar em Portugal foi de 5.297 milhões de euros, tendo-se verificado uma ligeira redução do número de unidades totais em funcionamento, que perfazem agora um total de 11 760. O IIF aponta como razões para este cenário de ligeira contracção “as dificuldades acrescidas de financiamento, falta de confiança dos mercados e a passagem [de Portugal] ao “estatuto” de país intervencionado” .

O 17.º Censo do Franchising demonstra ainda que este modelo empresarial assegura 69 851 postos de trabalho, o que corresponde a 1,4% do emprego em Portugal. Em 2011, surgiram no mercado 73 novas marcas, mantendo-se a mesma dinâmica registada nos anos anteriores, em que o balanço final entre encerramentos e aberturas continua positivo.

O estudo confirma uma das tendências dos últimos tempos: a consolidação de marcas de baixo investimento. Na verdade, 39% do mercado apresenta opções com investimento até 25 mil euros. Entre os sectores em destaque e que se encontram em rota de crescimento, avultam a compra e venda de ouro e a mediação de obras.