Botaminuto recolhe 7 mil pares de sapatos

A campanha “Procuro novo dono”, organizada pela Botaminuto, conseguiu recolher mais de 7 mil pares de sapatos, que agora irá distribuir por várias instituições de solidariedade.
Pelo terceiro ano consecutivo, a conhecida rede nacional de franchising promoveu esta iniciativa que tem por principal objectivo a recolha de sapatos usados mas em bom estado.

No primeiro ano da campanha, em 2008, foram recolhidos cerca de 3 mil pares de sapatos por todo o país. No ano seguinte, o número ascendeu ao dobro e este ano, segundo Duarte Ramos, sócio-gerente da Botaminuto, o número já ultrapassa os 7 mil pares.

Em entrevista ao portal Gofranchising, Duarte Ramos referiu que a principal preocupação da Botaminuto é “garantir que as pessoas que dão os sapatos saibam que não faremos negócio com eles”. Por isso, este ano a marca optou por criar páginas nas redes sociais, como o Facebook, onde vai fornecendo informações actualizadas sobre o curso da campanha e a entrega dos sapatos às instituições.

Ainda segundo Duarte Ramos, a regra na triagem do calçado é “Eu usaria este sapato?” e só após verificação da sua usabilidade é que é feita a expedição para armazém, serviço que está a cargo da Adicional, empresa que se associou a esta campanha. Depois da nova triagem feita em armazém, os sapatos seguem para várias instituições de solidariedade de norte a sul do país. Entre estas instituições, que neste momento são mais de 20, constam centros comunitários, de acolhimento e outras essencialmente associadas à Caritas Portuguesa e ao Lions Clube de Portugal.

Este ano a Botaminuto foi também contactada por instituições da ilha da Madeira, que pediram o envio de calçado de modo a suprir as necessidades da população, afectada pelo temporal de 20 de Fevereiro, sendo que a marca lá fará chegar em breve um número considerável de sapatos.

Para a Botaminuto o balanço da campanha de 2010 “é bastante positivo”, tendo em conta que “as pessoas já a conhecem, sabendo inclusive quanto começa e termina e por isso contribuem cada vez mais”.